"Bati-me sempre por coisas que iam além de mim e não olhei a sacrifícios. Fiz o que pude, e quem faz o que pode faz o que deve" - Fernando Valle.
14 de Junho de 2010

Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal
Exmo. Sr. Presidente da Assembleia Municipal
Exmos. Srs. Vereadores da Câmara Municipal
Exmos. Srs. Presidentes das Juntas de Freguesia
Exmos. Srs. Membros da Assembleia Municipal
Demais autoridades civis e militares
Minhas Senhoras e Meus Senhores
Estarrejenses,

Cumpre-se hoje mais um Dia do Município. Dia de celebrarmos a nossa terra, as nossas gentes, os feitos que alcançámos e queremos alcançar. Dia, também, de reconhecermos e enfatizarmos aqueles que, pela sua acção e empenho, fizeram mais pela nossa terra e ajudaram-nos todos a sermos melhores enquanto comunidade.

Por isso as nossas primeiras palavras se dirigem àqueles que recebem hoje o reconhecimento de todos nós pelo seu trabalho e dedicação à nossa terra.

Este reconhecimento não é mais que o penhor da gratidão que estas instituições e personalidades nos merecem, por terem acreditado sempre nas potencialidades da nossa terra e das nossas gentes. Instituições e pessoas que não obstante as dificuldades e os contratempos mais que muitos, nunca desistiram de acreditar na nossa terra e nunca se deixaram amarrar às circunstâncias e condicionalismos próprios dos tempos. Lutando, cada um da sua forma, para que Estarreja se superasse a si mesma. E todos, bem sabemos, o quão difícil é fazê-lo.

Em primeiro aos trabalhadores da Câmara Municipal que completaram 25 anos de serviço público aos estarrejenses, dando o melhor de si, na sempre incompreendida tarefa de funcionário público, o nosso obrigado.

Não podemos, também, deixar de enaltecer os atletas estarrejenses que com a sua dedicação, com o seu esforço, dedicação e sacrifício pessoal e das suas famílias, conseguiram alcançar mais. Levando-nos a todos à boleia dos seus méritos e feitos. O nosso agradecimento e para todos o nosso incentivo para que possam, no futuro, ter melhores condições para se poderem afirmar ainda mais nas modalidades desportivas que praticam.

Desta forma ao centenário Centro Recreativo de Estarreja e à Santa Casa da Misericórdia, que ao longo de décadas assumiram um papel relevantíssimo na comunidade, através das suas vertentes. Cumprindo em Estarreja um verdadeiro serviço público, apoiando a comunidade e proporcionando-lhe desporto, cultura, apoio social e cuidados de saúde substituindo muitas das vezes, ao longo dos tempos, os poderes públicos (administração central e local). Para o Centro Recreativo e para a Santa Casa o nosso bem-haja no momento deste singelo tributo.

Homenageamos, também, hoje três personalidades, cuja vida se confunde com a história contemporânea da nossa terra e cujo trabalho estará sempre indelevelmente ligado aos sucessos da nossa terra e à capacidade de fazer das nossas gentes. Qualquer um dos três contribuiu na sua área, com o seu engenho e arte e com a sua determinação, para fazer de Estarreja uma terra melhor. Cada um, e nas suas áreas, contribuiu para que houvesse e haja, ainda hoje, melhor qualidade de vida em Estarreja e com melhores condições para aqueles que ainda cá vivem e que infelizmente sentem cada vez menos motivos para cá continuar.

Ao Eng. Castro Valente o nosso obrigado pela dedicação ao longo de 40 anos a servir os outros enquanto comandante da nossa corporação de bombeiros.

A João Amaral o nosso agradecimento por ter persistido em continuar a sua actividade em Estarreja, sabendo todos que seria mais fácil ir para outras paragens onde as oportunidades são melhores. Ser empreendedor nunca foi tarefa fácil no nosso país e na nossa terra ainda menos.

Posso garantir-lhe que a dívida que Estarreja tem consigo e com os Transportes J. Amaral são de uma dimensão que vai muito para além desta homenagem.

A persistência em permanecer em Estarreja tem garantido ao longo dos tempos um sem número de oportunidades de emprego aos estarrejenses que de outra forma teriam tido muitas mais dificuldades que as que existem. Obrigado por continuar por cá, quando são cada vez menos aqueles que podem trazer desenvolvimento económico ao nosso concelho e que é cada vez mais um concelho onde o desenvolvimento económico não chega. Louve-se iniciativas, como a sua, que continuam a garantir alguma fonte de rendimentos no nosso concelho.

Por fim, uma palavra especial para Vladimiro Silva. E desenganem-se aqueles que a palavra é especial por ser para uma pessoa do mesmo partido que o meu. Não.

Uma palavra especial para Vladimiro Silva, por duas razões.

Uma primeira que se prende com o facto de cada vez menos respeitarmos aqueles que se dedicam à causa pública através da política e democraticamente se expõem a todos para que o povo, na sua sabedoria, faça as suas escolhas. E o povo escolheu-o.

Escolheu-o por duas vezes para ser seu Presidente, aqui em Estarreja. E olhem que é preciso ser uma pessoa muito especial, para sendo socialista ser eleito como Presidente em Estarreja. Se olharmos bem e de forma muito simples, basta vermos que desde o 25 de Abril de 74 já passaram 36 anos e só durante 8 anos tivemos um socialista a presidir aos destinos do nosso município.

Por isso são cada vez mais raras as vezes em que enquanto comunidade prestamos o devido louvor àqueles que nos servem enquanto políticos.

Sei que na política e quem se predispõe a exercer cargos políticos, não procura esse louvor e reconhecimento. A maioria daqueles que nos servem através da política fazem-no desinteressadamente, fazem-no por sentido de dever e porque acreditam que o seu contributo pode de facto ser útil para todos vivermos um pouco melhor. Vladimiro Silva é uma dessas pessoas e é precisamente por ser uma dessas pessoas que serviu a nossa terra desinteressadamente e serviu bem Estarreja e os estarrejenses é que esta homenagem é merecida.

Mas como dizia, são duas as razões que me levam a dedicar uma especial atenção a Vladimiro Silva e a segunda tem a ver com a sua visão, a sua forma de enfrentar as dificuldades e com aquilo que com a sua acção a nossa terra conseguiu progredir.

Acompanhei de perto a sua acção enquanto Presidente de Câmara e aprendi muito enquanto político com ele e com as pessoas que o acompanharam na sua actividade em prol do nosso município.

Aprendi com Vladimiro Silva que a força das nossas ideias e convicções não são negociáveis e são o alimento da nossa acção política. Aprendi com ele a saber encontrar compromissos, mesmo entre aqueles que divergem de nós. Encontrei nele o espírito verdadeiro de um líder que sem receios de ser suplantado ou ultrapassado se rodeou dos melhores, alguns porventura melhores que ele, com a máxima que somos tão melhores quanto melhores são aqueles que connosco colaboram.

Aprendi com Vladimiro Silva que a actividade política e governativa não se compadece com lamentos, com queixumes e com desculpas para a inacção. E encontrei nele, aquilo que faz os grandes políticos, a visão de desenvolvimento de uma terra em prol da qualidade de vida para todos. Reconhecimento que hoje todos assinalamos, e bem.

Foi a sua visão que fez, em 8 anos, aquilo que para muitos era impensável na nossa terra. Foi essa sua visão, o seu trabalho e da sua equipa que marcou a história recente da nossa terra, marcou tanto que volvidos praticamente 10 anos, aqueles que nos governam hoje, continuam a falar desse mesmo passado.

Vladimiro Silva, e ainda que sem placas de acrílico, tem a sua pessoa e sua gestão associadas ao período de tempo que mais desenvolveu Estarreja.

Em 8 anos e de forma pouco exaustiva porque o tempo não nos permite. A ele e à sua visão de desenvolvimento devemos a existência do Cineteatro de Estarreja, a actual Biblioteca Municipal, o Parque Industrial (hoje conhecido como Eco-Parque), a A29, a Escola EB23 Padre Donaciano, os actuais quartéis da GNR e dos Bombeiros Voluntários de Estarreja, os Complexos desportivos do CDE e da Atlética de Avanca, a pista do Arsenal de Canelas, vários polidesportivos em todo o concelho, o Centro de Saúde existente e a Extensão de Saúde de Salreu, o Inovar-Estarreja que apoiou centenas de famílias e recuperou um série de habitações, o Centro Cívico da Quinta do Gama e a Praça do Município, Saneamento e distribuição de água por todo o concelho etc. etc.

Vladimiro percebeu que o desenvolvimento de Estarreja não poderia ser uma acção de gestão ad-hoc dos recursos do município. Gizou planos na saúde, nos equipamentos sociais e desportivos, no parque escolar, no urbanismo, criou as ferramentas para o desenvolvimento económico e social do nosso concelho, na cultura. Enfim, tanto planeou e estruturou que ainda hoje, 10 anos volvidos, ainda é o seu plano de acção que se cumpre na nossa terra.

E essa é mesmo a questão, o mundo a sociedade evoluem em 10 anos, mais que a acção planeada em 1993 e os tempos são difíceis e de mudança.

Os tempos que vivemos hoje e as dificuldades que todos temos de ultrapassar não podem ser enfrentados com resignação. Não podemos adoptar a postura diletante dos vencidos da vida da geração de 70 no séc. XIX. Não podemos. E não podemos sob pena de sermos absorvidos por estes tempos difíceis e exigentes.

Adivinhava-se há muito o que se passa hoje em Portugal, na Europa e no Mundo. Desde o primeiro Fórum Social Mundial de Porto Alegre que se gritava que um outro mundo é possível. Todos nós no nosso individualismo ignorámos os gritos de alerta. E em 2 anos fomos abalados por uma crise financeira à escala global, que ameaçou colapsar todo o sistema financeiro e bancário no mundo. A essa crise seguiu-se uma crise económica, que ainda hoje fecha empresas e coloca no desemprego milhões de pessoas pelo mundo fora, e em que Portugal não é excepção. E hoje pende sobre todos a ameaça do colapso do estado social sob a égide de uma crise política grave à escala europeia. Europa essa que é hoje cada vez mais determinante na acção governativa à escala nacional. Uma união económica europeia sem uma união política europeia é um castelo construído com um baralho de cartas, à espera do sopro dos especuladores financeiros que o mundo ajudou a criar.

Mas voltando aqui a Estarreja e à nossa terra. Não podemos baixar os braços e resignar-nos, pensarmos que somos pequenos e agirmos com pequenez. Não. Isso é um mau serviço. Quem governa e lidera tem a obrigação de cumprir a sua missão – Governar e liderar. E para tal é preciso ter ideias que se consubstanciem e concretizem em valorização dos nossos recursos e das nossas gentes. Criando assim mais-valia que assegurem a prosperidade da terra. É ousar sonhar e lutar pela concretização dos sonhos. É acreditar que a nossa acção é fundamental para trazer esperança e fé nas potencialidades de todos.

Para tal é preciso não ceder a pressões, não agir com mesquinhez e inveja, sermos fiéis a nós próprios e agirmos com verdade perante nós e perante os outros. É estarmos à altura dos que fizeram a nossa história e, nos momentos difíceis e importantes souberam ultrapassar as adversidades. É estarmos à altura de Estarreja e dos estarrejenses que diariamente enfrentam as vicissitudes da vida.
Prestigiar Estarreja e este dia é, sem desculpas, sem encolheres de ombros e sorrisos tímidos de incapacidade é e parafraseando um grande republicano, lutador anti-fascista e democrata, Fernando Valle é batermo-nos por coisas que vão além de nós. Fazer o que podemos, pois só assim fazemos o que devemos. A bem da nossa terra e prestigiando assim, aqueles que hoje aqui homenageamos.

Disse.

Pedro Vaz
Estarreja, 13 de Junho de 2010
publicado por Pedro Vaz às 11:32
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Movimento
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Fica aqui o meu contributo: http://minutoacessivel...
Paula Teles foi-me falada pelo Núcleo de Acessibil...
Paula Teles foi-me falada pelo Núcleo de Acessibil...
Gosto disto, vou começar a seguir o vosso blog.......
Sr Pedro Vaz,Como está tã informado pergunto-lhe s...
pena nao haver mesmo uma rampa para o inferno, par...
Olá Pedro Vaz.Cá o Cidadão abt fez questão em link...
Caro Pedro Vaz,Ja verifiquei o link e devo-lhe um ...
Caro Anónimo:http://dre.pt/pdf2sdip/2009/12/251000...
O LICENCIADO COM PRAZER NA POLÍTICA - PEDRO VAZDes...
blogs SAPO